Skip to content
Principal
Relatório da III Conferência Nacional de Educação à Distância Imprimir e-mail

III Conferência de Educação à DistânciaNos dias 10 e 11 de Outubro de 2013 foi realizada a III Conferência Nacional de Educação à Distância (EaD), no Centro Internacional de Conferências Joaquim Chissano, em Maputo, Moçambique, sob o lema Partilhando Experiências de Educação à Distância, Rumo à Expansão do Acesso e Qualidade da Educação em Moçambique”.

Participaram na conferência cerca de 100 representantes de diferentes instituições que lideram e oferecem cursos a distância em Moçambique nomeadamente: Instituto Nacional de Educação à Distância (INED) - coordenador, Ministério da Educação,  Universidade de Pretória (como convidada), Universidade Pedagógica (UP), Universidade Aberta Mundial (OWU), Universidade Eduardo Mondlane (UEM), Instituto Superior Dom Bosco (ISDB), Universidade Católica de Moçambique (UCM), Instituto de Educação à Distância Aberta (IEDA), Instituto Superior Monitor (ISM), entre outras.

Durante estes dois dias foram apresentadas 15 comunicações sobre resultados de investigações, experiências e temas sobre a qualidade de ensino à distância. Para além da apresentação de temas, as instituições montaram exposições sobre os seus programas de EaD.

A conferência começou com o desejo de “Boas vindas” pelo Director Geral do INED, António Domingues Franque. A seguir foi realizada a cerimónia de abertura oficial da conferência, com a entoação do hino nacional pelo coro da escola secundária de Lhanguene, de Maputo, que também cantoumais 3 canções moçambicanas maravilhosas. Todas estas canções podem ser ouvidas e assistidas no canal YouTube (canções 1, canção 2, canção 3).

Depois disso a Vice-Ministra da Educação, de Moçambique, Prof. Doutora Leda Florinda Hugo fez o discurso de abertura da III Conferência Nacional de EaD. Neste discurso, ela frisou que os objectivos principais desta conferência são:

  • ·         Promover boas práticas de ensino a distância;
  • ·         Alargar os conhecimentos sobre ensino a distância;
  • ·         Reflectir sobre a garantia de qualidade de educação a distância.

A seguir foi feita a comunicação inaugural da Doutora Folake Ruth Aluko da Universidade de Pretória com o tema: Partilhando experiências de EaD - expansão do acesso e garantia de qualidade de Educação à Distância em Moçambique. Ela referiu que a questão de qualidade de EaD varia com tempo e está ligada ao contexto político-cultural. A qualidade de EaD é algo complexo e de difícil avaliação. Existem várias percepções e definições sobre qualidade. A qualidade de EaD engloba todos os elementos do processo de ensino: marketing, inscrições, registo, materiais didácticos, apoio ao estudante, acompanhamento, monitoria, avaliação, etc. E o objectivo principal de instituição é garantir a qualidade.

Depois de um intervalo foi apresentada a comunicação cujo tema é: Monitoria e avaliação como um instrumento de gestão – a experiência da UP, pela Directora do Centro de EaD da UP Prof. Dra. Alice Freia. Para questões de qualidade de EaD, foi criado no CEAD um Departamento de Monitoria e Avaliação, que faz pesquisa qualitativa e quantitativa dos cursos de biologia e de matemática leccionados na Beira, Lichinga e Maputo. Com a cooperação da Universidade Aberta do Brasil está prevista a formação dos professores, dos monitores bem comoo apetrechamento dos Centros de Recursos com materiais electrónicos de EaD.

A seguir o Director Geral da OWU, Thomas Hojmark Jensen, apresentou a comunicação com o tema: Diferentes práticas de EaD – a experiência de OWU (ISET). Ele falava sobre o programa de EaD na OWU na perspectiva de determinação dos métodos de ensino e aprendizagem, o esforço feito na elaboração dos materiais digitais, a organização dos centros de gestão e apoio aos estudantes como elementos primordiais para a garantia de qualidade.

A seguir foi apresentada uma comunicação pelo estudante da UEM, Fiston Silvestre das Neves,  realizada através do Skype, a partir de  Alto Molócue, Zambézia, onde falou sobre  os desafios no uso das tecnologias no EaD – experiência de um estudante da UEM. Ele mencionou  os problemas e expectativas dos estudantes e enfatizou que. começar é difícil e só vence, aquele que tem persistência e perseverança. Depois do intervalo de almoço, a Directora Nacional do Ensino Primário apresentou uma comunicação com o tema: Desafios na expansão do programa de atendimento alternativo ao ensino primário do segundo grau (EP2). Ela partilhou a experiência que a direcção tem na expansão do programa de atendimento alternativo. Este programa está decorrer nas províncias de Tete, Zambézia, Niassa e Maputo. Segundo a directora,  a experiência deles é possível fazer a EaD mesmo neste nível de ensino, mas é preciso usar as formas mais apropriadas para atingir os objectivos. O objectivo pode ser atingido com ajuda de monitor e supervisor de EP2 que se encontram com os alunos segundo um horário nas escolas EP1 próximas.

A seguir Paula Perú e Nelson Lucas da ISDB apresentaram a comunicação com o tema: Garantia de qualidade no ensino técnico à distância – uma experiência da Instituto Superior Dom Bosco (ISDB). Eles falavam sobre sua instituição e sobre a qualidade dos cursos profissionais à distância com a parte prática que se realiza de maneira presencial durante 6 semanas num local apropriado (laboratórios, oficinas, etc.). ISDB é a primeira instituição em Moçambique que faz o ensino técnico-profissional à distância.

A seguir, o estudante do curso de física, Gibílio Albino Ngovene, apresentou uma comunicação com o tema “Uma perspectiva de qualidade de EaD – experiência de um estudante da UP. Falando da sua experiência, referiu se que se quer vencer no EaD é preciso a persistência. Para facilitar o estudo, os estudantes organizavam-se em grupo de 6 pessoas, elegiam o líder do grupo, subdividiram em dois subgrupos de três pessoas, criaram amizade com outros estudantes mais experientes. Para se animarem no estudo, eles usavam o slogan – O nosso sucesso depende do nosso esforço!

O último tema do dia foi “Contribuição dos centros provinciais de EaD (CPED’s) para a qualidade de EaD”, apresentado pelo  Custódio Lúrio Ualane, do INED. . Ele destacou a necessidade de se evitar a duplicação de esforços. E também ele indicou as condições para atingir o sucesso: Se quer ir depressa – vai sozinho! Se quer ir longe – junta-te com os outros!

O segundo dia da conferência iniciou com a síntese dos trabalhos do primeiro dia, feito pelo Director Geral do INED.  Depois disso foi apresentada a primeira comunicação cujo tema é “Parcerias e partilha na provisão de cursos à distância – experiência do IEDA. Eles têm cerca de 35000 estudantes no curso de formação des professores de nível médio. Inicialmente eles utilizavam o material impresso mas agora já utilizam também o material electrónico, o que permitiu organizar o processo mais dinâmico.

A seguir foi feito o depoimento de uma estudante do IEDA Claudina Uamba. Ela, sendo mãe, depois de ter parado de estudar durante  18 anos, decidiu continuar com os estudos na oitava classe e, com êxito, terminou a 12ª classe no regime de EaD. Ela disse: O EaD é real mas requer muita dedicação do estudante. Agora ela está pronta para prosseguir com os seus estudos  no ensino superior.

Depois disso, foi apresentada a comunicação do João Feijó, Instituto Superior Monitor, com o tema  “O uso das redes sociais na provisão de cursos à distância. Ele indicou que o ISM utiliza diferentes redes sociais para o EaD e dentre elas – o Facebook . As redes sociais não estão preparadas para ensino. Por isso ele disse – Estamos aprendendo, fazendo.

Depois do intervalo foi organizada a mesa redonda composta por 5 estudantes da EaD de diferentes instituições: João Malundza de OWU, Emília Pinoca do ISAP, Pedro Machude de Academia de Ciências Policiais, Aurélio Manhiça do ISDB e Nelson Baúle de Instituto de Formação Bancária. Eles partilharam as variadíssimas experiências dos seus cursos. Falavam de organização, de apoio, da necessidade de gestão das ligações sociais com a família, com os amigos, etc.

A seguir Padre José Júlio e Tavares Augusto de UCM apresentaram a comunicação –“Desafios na definição de indicadores de qualidade. Eles trabalham com 18 indicadores que englobam todo o processo de EaD. Trabalhavam muito com indicadores de apoio ao estudante, de formação dos professores e dos tutores e sobre infra-estrutura.

A última comunicação da conferencia foi apresentada pela Lurdes Nakala de INED com tema: O processo de acreditação e garantia de qualidade nos programas e cursos de EaD. Ela referiu que o processo de acreditação é um processo longo, é um processo de aprendizagem. Neste momento está acreditada só uma instituição, estando neste momento em curso acreditação das outras.

A seguir o Director Geral do INED teceu algumas considerações sobre as comunicações apresentadas. Depois o Presidente do Conselho da Administração do INED, Eugénio Chirrime, apresentou seus sentimentos sobre a conferência e agradecimentos aos participantes. Ele indicou que a qualidade é uma maneira de cultura e as conferências permitem organizar uma aprendizagem comum. A base da qualidade de EaD é o módulo e autonomia dos estudantes. A supervisão e monitoria têm que passar para a facilitação do processo.

O encerramento da conferência foi feito pela Vice-Ministra da Educação. Ela saudou a equipa do INED que organizou esta conferência e agradeceu os participantes pela sua contribuição.

É de referir que todos os oradores receberam brindes de memória depois da sua apresentação e os participantes, os certificados de participação.

Depois disso, o coro da escola secundária de Lhanguene apresentou o Hino e mais dois cantos corais. E a conferência foi encerrada com o almoço de confraternização.

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Ensino a Distância na UEM
 
Visitas: 361694